Roteiros homiléticos

Publicado em março-abril de 2022 - ano 63 - número 344 - pág.: edição especial

DOMINGO DE RAMOS E DA PAIXÃO DO SENHOR – 10 de abril

Por Marcus Mareano

A glória oculta na cruz

I. INTRODUÇÃO GERAL

A vida plenamente vivida de Jesus vai chegando ao seu ápice. Ele viveu como morreu e morreu como viveu. A subida e entrada em Jerusalém representam o início do processo de julgamento, condenação e morte de Jesus.

A celebração deste domingo nos introduz na semana final da vida humana de Jesus. Jerusalém, centro político e religioso dos judeus daquele tempo, já significava um risco para Jesus e seus seguidores. Sua mensagem, propagada desde a Galileia, região periférica do império, chegara à audição dos líderes religiosos situados no templo. Eles procuravam uma ocasião favorável para eliminar esse Mestre que arrebanhava pessoas em seu seguimento.

A “Semana Santa” constitui o centro do ano litúrgico e a recordação do núcleo da fé em Cristo (paixão, morte e ressurreição). Celebrá-la atentamente é participar, por meio da fé e dos ritos, dos últimos eventos de Jesus e refletir sobre a incidência deles em nossa vida. Não devemos ser meros espectadores dos acontecimentos, e sim sujeitos participantes do mistério celebrado.

Além das leituras, que nos inserem nas cenas finais de Jesus, a liturgia se compõe do simbolismo dos ramos – que, naquele tempo, foram usados para a aclamação do Messias que viria assumir sua posição perante seu povo. Hoje, recordamos essa entrada “triunfal” de Jesus para o acompanharmos e participarmos do mistério de sua oferta de si.

II. COMENTÁRIO AOS TEXTOS BÍBLICOS

1. I leitura (Is 50,4-7)

O terceiro cântico do “Servo sofredor” (Is 50,4-7) demonstra a confiança de um servo em Deus. O trecho de Isaías se dirige ao povo exilado em uma terra estrangeira, apresentando esse servo que, em meio às dificuldades sofridas até no corpo, não hesita em querer consolar, dizer uma palavra do Senhor a seus conterrâneos e oferecer-se aos escárnios alheios.

O Servo do Senhor resiste, por meio da fé, aos sofrimentos, mantém a confiança no Senhor e acredita que não será confundido (v. 7). Trata-se de um representante da fidelidade à aliança com o Deus de Israel, que instiga o povo a perseverar diante dos desafios e aguardar o socorro divino.

Como outrora o povo, acometido pelas turbulências do exílio da Babilônia, e Jesus, diante dos riscos que sofria por causa do anúncio do Evangelho, a comunidade que ouve essa palavra exercita a confiança em meio às adversidades.

2. II leitura (Fl 2,6-11)

A segunda leitura apresenta um antigo hino cristológico, elaborado anteriormente às narrativas da infância de Jesus, demonstrando sua existência na relação com Deus.

Jesus, sendo de condição divina, esvazia-se e assume nossa carne, como um servo de todos e para todos, obedecendo (dando ouvido, estando atento) a Deus até a morte (na cruz). Por conseguinte, Deus o exaltou, ressuscitando-o dentre os mortos e dando-lhe uma posição superior (um nome acima de todo nome). Por isso, todos reverenciam Jesus como o Senhor que desceu até nós para subirmos, por meio dele, até Deus. A oferta de amor de Jesus na cruz é respondida por Deus com sua exaltação e seu senhorio sobre a humanidade e toda a criação.

O “esvaziamento” (kenose) de Jesus até a cruz nos propõe uma via diferente da que geralmente se busca para obter sucesso. Ao invés de honrarias, status social e bens materiais, Jesus percorreu um caminho de doação, que culminou na cruz. Assim, também podemos descobrir a beleza do “esvaziamento” de nós próprios, a exemplo do Filho de Deus.

3. Evangelho (Lc 19,28-40; Lc 23,1-49)

A celebração deste domingo se enriquece com dois possíveis momentos da proclamação do Evangelho. O primeiro, se houver procissão, a narrativa da entrada triunfal de Jesus em Jerusalém (Lc 19,28-40). O segundo, na liturgia da Palavra, o relato da paixão de Jesus segundo Lucas (Lc 23,1-49 – mais breve).

Para o evangelista Lucas, Jerusalém é o ponto de convergência da mensagem cristã. Para lá Jesus caminha, subindo para sua morte e ressurreição (9,51; 19,28). De lá os discípulos saem para comunicar a Boa-nova em outros lugares (24,49; At 1,8).

Então, Jesus entra em Jerusalém para completar sua missão. Sua vida é como grande subida a essa cidade, realizando a profecia segundo a qual Deus visita seu santuário (Ml 3,1). Entretanto, Jerusalém não reconhece a hora dessa visita; isto é, os poderosos que se concentravam na cidade rejeitam a presença e a mensagem de Jesus (19,39-40), enquanto os pobres, a multidão e os discípulos aceitam a salvação trazida pelo Messias diferente, e nela acreditam (19,39-40).

Observamos, na cena do Evangelho de Ramos, o contraste entre a entrada de Jesus, montado em um jumentinho e acompanhado pelos pobres da Galileia, e a ostentação de poder e soberba por parte dos poderosos. De um lado, o servo humilde que dá a vida para a salvação do mundo; de outro, os condenadores que não acolheram a “visita” de Deus na pessoa de Jesus e promovem sua condenação e morte de cruz.

Em seguida, a narração da paixão de Jesus assume o ponto alto da liturgia da Palavra na Eucaristia deste dia. A longa leitura motiva-nos para a interioridade e para o silêncio que envolve o evento e provoca em nós um sentimento próprio, por ouvirmos o relato da morte de alguém, cujo sentido compreendemos pela fé.

Lucas apresenta algumas especificidades na sua versão da paixão de Jesus. Na última ceia, Jesus se propõe como exemplo de serviço (22,24-25); as mulheres estão presentes na caminhada e são consoladas por Jesus (23,27-28); o ladrão é perdoado na cruz (23,39-43); a morte é entrega confiante (23,46), em vez de grito de abandono. O evangelista demonstra, como em outras passagens, seu gosto pelo tema da misericórdia, a valorização dos pobres, a consideração pelas mulheres e a oração enquanto estímulo de toda ação de Jesus.

Por um lado, a alegria da entrada triunfante em Jerusalém, com a qual iniciamos as leituras; por outro, a trama do processo e do final da vida de Jesus, esvaziada de honras e privilégios, e plena de amor, realização e confiança em Deus. A subida de Jesus a Jerusalém representa sua descida aos mais profundos dramas humanos: a dor, o sofrimento e a morte. Ele encara essas realidades firmado na convicção da ação do Pai, sem recuar ou se acovardar diante dos desafios e ameaças.

As leituras nos fazem pensar na seriedade do seguimento de Jesus. Assumir seu itinerário de vida é nos dispormos a enfrentar as mesmas consequências, atualizadas para nossos tempos, sofrendo processos e condenações, reconhecendo cruzes e crucificados da contemporaneidade, tantas injustiças e mortes que clamam aos céus. A fé se torna o ingrediente indispensável nesse caminho, como foi para Jesus.

III. PISTAS PARA A REFLEXÃO

A liturgia segue recordando o desfecho da vida de Jesus e faz pensar também em nossa peregrinação existencial: para onde vamos? Quais têm sido nossas escolhas e que consequências elas têm trazido para nós e para outras pessoas?

Uma vida realizada é possível quando fitamos o essencial e ousamos olhar para além das aparências. O final da vida de Jesus demonstra o contraste entre modelos diferentes de realezas, reinos e projetos de vida. Ele opta pelo mistério do amor de Deus, oculto nas coisas e nas pessoas, tornando esse amor visível em sua humanidade (Jo 5,20; 14,9; 1Jo 4,9-10). Portanto, quem o segue deve igualmente demonstrar esse amor (Jo 14,12; 1Jo 3,16.18), causa de uma existência e de uma vida com sentido.

Subimos juntos com Jesus a Jerusalém, para participarmos com ele do seu processo de traição, condenação, morte e ressurreição. Alegramo-nos com os ramos, aclamando o rei, e silenciamos diante de seu reinado diferente. Sua glória se esconde em todas essas coisas. O paradoxo da ação divina nos indaga e nos fascina ao mesmo tempo, como expressa a frase de Santo Agostinho: “É preciso compreender para crer e crer para compreender”.

Finalmente, o Salmo 22(21), rezado nesta liturgia, propõe, em forma de oração, nossa entrega confiante a Deus, mesmo se não o sentimos presente. Nem sempre temos sensibilidade para a presença de Deus, porém a fé nos ajuda a acreditar em sua ação amorosa. Deus está além do que sentimos e percebemos dele.

Marcus Mareano

é bacharel em Filosofia pela Universidade Estadual do Ceará (Uece). Bacharel e mestre em Teologia pela Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (Faje). Doutor em Teologia Bíblica, com dupla diplomação, pela Faje e pela Universidade Católica de Lovaina, na Bélgica (KU Leuven). Professor adjunto de Teologia na PUC-MG, também colabora com disciplinas isoladas em diferentes seminários. Desde 2018, é administrador paroquial da paróquia São João Bosco, em Belo Horizonte-MG. E-mail: [email protected]